Consórcio vale a pena? Entenda tudo sobre consórcio, suas taxas, benefícios e tempo de pagamento.

Um dos aspectos mais importantes na aquisição de um bem é o planejamento financeiro e as contas envolvendo a compra. Assim, muitos brasileiros procuram entender se consórcio vale a pena, quais são suas vantagens e características.

Hoje em dia, muito se fala de consórcio. E há um exército de vendedores nas ruas e na Internet prometendo benefícios neste sentido.

O que é consórcio?

Um consórcio é uma reunião de pessoas (ou empresas) que possuem o mesmo objetivo de adquirir um bem ou serviço. A ideia é que se unam em torno deste objetivo. Mas sem a necessidade de todos conseguirem o bem ao mesmo tempo. O objeto do consórcio costuma ser uma carta de crédito com objetivo específico, como compra de carro ou imóvel. Por outro lado, existem também consórcios que tratam especificamente de serviços, caso comum de cirurgias plásticas.

Entenda as regras do consórcio

O grupo formado é administrado por uma empresa devidamente autorizada para tal. E todos os meses os integrantes pagarão um valor. A cada período estipulado de sorteio, geralmente 30 dias, um participante é contemplado. Com isso, sorteado poderá usar o dinheiro acumulado para aquisição do bem/serviço.

Outra forma de ter acesso à carta de crédito para compra do bem/serviço é através do lance.

Os sorteios são geralmente realizados com base em números sorteados pela loteria federal por conta de segurança e transparência. Em caso de premiação por sorteio, o contemplado pode usar imediatamente sua carta de crédito sem nenhum custo adicional. Somente uma empresa especializada pode administrar um consórcio e, para isso, ela cobrará uma taxa de administração.

No entanto, mesmo contemplado ele seguirá com a obrigação de pagar todas as cotas mensais combinadas na contratação.

Assim, enquanto paga o consórcio, o bem adquirido fica alienado. Ou seja, repassar o bem só quando o consórcio for integralmente quitado.

Antes de contratar e para saber se consórcio vale a pena, é importante atentar-se para como estão definidas certas regras:

  • Período de duração do grupo e número máximo de participantes;
  • Regras para contemplação por sorteio e lance;
  • Taxa de administração;
  • Possibilidade (ou não) de transferir cota para terceiros;
  • Como pode ser feita a antecipação das prestações;
  • Garantias no momento da contemplação.
  • Como funciona o lance no consórcio?

Quem não quiser esperar ser sorteado, pode oferecer um lance. Ele pode ser livre, fixo ou embutido, conforme vou explicar agora.

Lance Livre

No lance livre, os participantes podem fazer qualquer oferta pela carta de crédito. E, em geral, ela acontece na assembleia mensal. Cada participante pode dar seu lance, como em um leilão. E vence a maior oferta em termos percentuais em relação ao valor da carta de crédito.

Por exemplo:

João tem R$ 40 mil para o lance. Mas esse valor corresponde a 50% do total em aberto de sua carta de crédito;
Maria oferece um lance de R$ 60 mil, que percentualmente equivale a 30% de sua carta de crédito;
O valor oferecido por Maria é maior. Mas o lance de João será o vencedor porque percentualmente o valor é maior (em relação à carta de crédito).

Os lances são sigilosos e revelados ao mesmo tempo durante a assembleia, justamente para agilizar e facilitar o processo.

Eu disse anteriormente que o lance livre se aproxima de um leilão. No entanto, a ideia é que isso aconteça sem novas rodadas. Caso dois participantes ofereçam o mesmo valor pela carta, haverá sorteio para definir quem será o contemplado.

Lance Fixo

Neste caso, os participantes já definem antecipadamente o percentual mínimo para os lances em busca da carta de crédito. Os percentuais mais praticados costumam ser de 20%, 30%, 50% e 70%. Neste caso, quem quiser dar o lance já sabe quanto precisa ter. O objetivo é que realmente aquelas pessoas com mais capacidade financeira ofereçam o lance. Em caso de empate, haverá sorteio.

Lance Embutido

Neste caso, o lance virá de parte da própria carta de crédito. Ou seja, não há necessidade de ter o dinheiro para o lance. Um percentual da própria carta de crédito será usado como lance. Dessa forma, haverá uma redução do valor disponível para compra do bem quando contemplado. Por exemplo, imagine uma cota de R$ 100 mil, e o participante oferece 40% de lance. Ao ser contemplado, ele receberá uma carta de R$ 60 mil.

Vantagens do consórcio

Para algumas pessoas, adquirir um bem mais caro parece algo impossível por conta da falta de disciplina. Neste sentido, muitos defendem que o consórcio pode ser uma saída interessante para ajudar na conquista do objetivo.

Assim, como vantagens posso citar:

Vantagem 1: Vira uma “poupança forçada”

Quem não tem a quantia para comprar à vista e não consegue guardar dinheiro, como vai conseguir o que deseja?

Assumir uma cota de consórcio pode ser uma alternativa para forçá-lo a conseguir se organizar para alcançar o que deseja.

Quando você se torna um cotista do consórcio, tem a obrigação de honrar seus compromissos com o grupo.

Logo, você será “obrigado” a economizar/poupar pelo menos a quantia equivalente à cota do consórcio.

Além disso, o fato de ter que pagar todo mês pelo compromisso assumido também ajuda a desenvolver disciplina.

Pensando pelo lado do planejamento, consórcio vale a pena para ajudar nesta dinâmica.

Vantagem 2: Taxas são menores que de um financiamento

O consórcio não tem cobrança de juros, mas é importante prestar muita atenção à taxa de administração.

Acima de tudo, é fundamental que você tenha condições de arcar com o pagamento do consórcio sem prejudicar seu orçamento. Isso porque o consórcio costuma ser mais vantajoso que o financiamento, pois só cobra a taxa de administração. Por exemplo, os juros médios do financiamento de carros estão em 20% ao ano. Por outro lado, um consórcio cobraria 15% para um período de 5 anos (média). Ou seja, as taxas de um consórcio podem ser mais de 6 vezes menores que os juros de um financiamento.

Portanto, se você quer fazer uma aquisição planejada, consórcio vale a pena em relação ao financiamento.

Desvantagens do consórcio

O principal lado negativo do consórcio é que sem um lance, você depende da sorte para ser contemplado. Ou seja, assim como você pode ser sorteado nos primeiros meses, também pode demorar a ser contemplado. E, na prática, ficar quase todo o prazo do consórcio para ter acesso ao bem. Portanto, a desvantagem predominante é que você não tem acesso imediato ao bem. Para isso, depende de um lance ou da sorte.

Ao optar por um consórcio, alinhe suas expectativas para que sejam compatíveis com a natureza do produto.

Consórcio de casa/imóveis

O consórcio imobiliário é a modalidade que reúne os cotistas para usar a carta de crédito na compra de imóveis.

Você e o grupo definirão características do imóvel no momento de formação do grupo, como aquisição de terreno, casa, apartamento etc.

Além disso, o saldo do FGTS (Fundo de Garantia do Tempo de Serviço) pode ser usado no consórcio para:

  • Liquidar saldo;
  • Oferecer lance;
  • Complementar o crédito;
  • Amortizar as parcelas.
  • Consórcio de automóvel

Neste caso, o grupo de cotistas é formado com objetivo de usar a carta de crédito para compra de automóveis.

Na formação do grupo, você escolherá o tipo de veículo para ter um valor tabelado de carta de crédito. Entre as definições estão a marca, o modelo e a faixa de preço, por exemplo.

Conclusão

Saber se consórcio vale a pena vai além de apenas acreditar nos argumentos de venda usados a seu favor. Logo, você deve conhecer bem as características do produto, alinhar suas expectativas e tomar uma decisão consciente e planejada. A educação financeira é sempre a melhor escolha para conquistar seus objetivos, portanto paciência para aprender, escolher e decidir.

 

Fonte: Por Conrado Navarro – Dinheirama